Pré-Tribulacionismo, Pós-Tribulacionismo e Meso-Tribulacionismo

Pré-Tribulacionismo, Pós-Tribulacionismoa e Meso-Tribulacionismo são as diferentes posições acerca do Arrebatamento da Igreja, e dividem opiniões entre os cristãos, como praticamente todos os assuntos dentro da Escatologia Bíblica.

Neste texto, veremos resumidamente cada uma destas visões, porém o mais importante nessa discussão é que Cristo voltará, e sobre isto, as três interpretações concordam, embora discordem da cronologia do evento.

Pré-Tribulacionismo

Essa visão defende que a volta de Cristo se divide em duas etapas: secretamente para buscar a Igreja, e em glória, sendo visível a todos após o período de grande tribulação. É por conta desse arrebatamento secreto que essa posição é chamada de Pré-Tribulacionismo.

O Pré-Tribulacionismo está diretamente ligado ao Dispensacionalismo Clássico, e ao método futurista e literal de interpretação do Apocalipse, embora nem todos que adotam o método futurista são Dispensacionalistas Clássicos. Existem muitos futuristas que são Pré-Milenistas Pós-Tribulacionistas.

No Pré-Tribulacionismo, geralmente existe uma completa distinção entre a Igreja e Israel. Os pré-tribulacionistas dizem que, basicamente, Jesus veio para os judeus, porém os judeus O rejeitaram, e, então, ele suspendeu temporariamente seus planos para Israel, e é aí que aparece a Igreja, como uma espécie de “parêntese” na história.

Portanto, como existe um plano especial para Israel, a Igreja será tirada da terra antes da grande tribulação, que será um período onde a ira de Deus será derramada sobre os ímpios que ficaram na terra, e também um momento especifico no tratamento de Deus com Israel.

No Pré-Tribulacionismo, como existe essa distinção entre os dois povos, e a Igreja não tem nada a ver com o tratado de Deus a respeito de Israel, então ela não poderá estar na terra nesse momento. Esse período de grande tribulação durará sete anos, considerando uma abordagem das setenta semanas de Daniel (Dn 9) e um esquema de leitura do livro do Apocalipse (principalmente o capítulo 13), que no caso seria propriamente a septuagésima semana.

Os textos mais utilizados para defender o arrebatamento pré-tribulacionista são: Romanos 8:1, 1 Coríntios 15:51, 1 Tessalonicenses 1:10; 4:17;5:9 e Apocalipse 3:10. Outro argumento muito usado é que, após o capítulo 3, a palavra “Igreja” não é mais encontrada no livro de Apocalipse até aparecer novamente no final do livro. Dentro dessa linha de interpretação, durante o período de grande tribulação a Igreja estará no céu participando das Bodas do Cordeiro.

Meso-Tribulacionismo

O Meso-Tribulacionismo defende que a Igreja será arrebatada no meio da grande tribulação. Sendo a tribulação um período de sete anos, então haverá três anos e meio de paz e três anos e meio de muita dificuldade. Esse sistema tem muita similaridade com o Pré-Tribulacionismo, porém se difere na ideia de que o arrebatamento ocorrerá quando os três anos e meio de paz terminarem. Existem meso-tribulacionistas que defendem que a grande tribulação não terá necessariamente sete anos de duração.

A principal defesa do Meso-Tribulacionismo é uma cronologia dada em 2 Tessalonicenses 2:1-3, onde o Anticristo parece ser revelado antes do arrebatamento da Igreja, além de uma combinação entre a trombeta de 1 Coríntios 15:52 com a trombeta de Apocalipse 11:15.

Pós-Tribulacionismo

O Pós-Tribulacionismo defende que o arrebatamento e a segunda vinda de Cristo tratam-se de um único evento, e que ocorrerá após o período de grande tribulação. Nessa interpretação, a Igreja passará pela grande tribulação, que não precisa ser necessariamente um período de sete anos. Dentro do Pós-Tribulacionismo existem Amilenistas, Pós-Milenistas e Pré-Milenistas que defendem tal posição.

Os principais argumentos pós-tribulacionistas se baseiam em:

  • Jesus em Seu Sermão Escatológico nos Evangelhos de Mateus (24), Marcos (13) e Lucas (21), deixou claro que só voltaria após o período de grande tribulação;
  • Em 2 Tessalonicenses 2:3, o Apóstolo Paulo afirma que antes de Cristo voltar o Anticristo se manifestará;
  • 2 Pedro 3, o apóstolo Pedro também descreve a vinda de Cristo como um evento único;
  • No livro do Apocalipse em nenhum momento é mencionado duas fases da volta de Jesus, e quando a segunda vinda é descrita, ela ocorre após o período de tribulação.

    O importante é saber que Jesus disse que voltaria, Jo 14.1-3, At 1.9-11. Mas eu diria como falou certo pregador, mestre nas Escrituras: É melhor esperarmos a grande tribulação, mas sermos surpreendidos pelo ARREBATAMENTO, do que esperarmos o arrebatamento e sermos surpreendidos pela G. tribulação. Logo, é bom estarmos sempre preparados, vigiando, com a vida na presença do Senhor; em paz com todos e com a vida em santificação. Desta maneira, jamais ficaremos para trás quando Jesus vier, aleluia, maranata.

Anúncios
Published in: on março 23, 2017 at 12:49 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://miltonadonesvieira.wordpress.com/2017/03/23/pre-tribulacionismo-pos-tribulacionismo-e-meso-tribulacionismo/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s